Chinchero: um vilarejo super especial no Peru

Você já ouviu falar de Chinchero ?

Quando planejei minha viagem ao Peru, duas das coisas que eu mais queria ver além de Machu Picchu eram as mulheres que tingem lã com pigmentos naturais, e a transformação de um inseto em batom.
Essas coisas sempre me fascinaram, e desde que descobri que Chinchero, um povoado perto de Cusco preserva esta tradição antiga, fiquei super interessado em visita-lo.

Depois de uns dias em Lima, cheguei em Cusco em um domingo no início da manhã.

Cusco é muito maior do que eu pensava, e cheia de turistas e locais.

Cheguei no albergue, fiz o check-in e fui até a rua Pavitos para pegar uma van para Chinchero.

Chinchero

Chinchero está localizado 30 Km de Cusco, cerca de 40min de van. Saindo do carro e andando pelas ruas tive a impressão que aquele povoado era super especial: mulheres bem vestidas com roupas peruanas tradicionais e super coloridas, num ambiente bem interiorano.

Chinchero

 Domingo de feira em Chinchero

A feira fica em uma praça perto dos sítios arqueológicos, e é muito simples: ruas de terra batida, e pessoas vendendo seus produtos em lonas azuis no chão. A feira de Chinchero é freqüentada por moradores da região, a maioria mulheres, e pouquíssimos turistas.

As mulheres são uma atração à parte, vestidas com roupas tradicionais peruanas típicas dessa região: chapéus circulares vermelhos e blusas com detalhes coloridos no punho e na parte da frente, xales vermelho, camisas brancas e saias pretas. A tranças compõem o visual charmoso e encantador. O look é elegante e impressionante!

A feira tem grande quantidade de frutas, carnes e frutos do mar, além de toneladas de tecidos com diferentes cores, e souvenirs. Meus olhos brilhavam tanto quanto o sol, e eu estava radiante com todas aquelas cores.

Se as vendedoras estavam elegantemente vestidas, as compradoras não passavam despercebidas. A maioria delas fazia suas compras usando um chapéu, uma saia, e uma longa trança no meio das costas. Elas também usavam um tecido colorido envolto no ombro e nas costas para transportar os produtos.

Adoro ver pessoas vestidas com roupas tradicionais quando viajo. É como se as influências externas do “mundo moderno” não existissem, e ao mesmo tempo, você se transporta para a cultura e realidade desses habitantes.

Passei um tempo observando as pessoas da feira, conversando com moradores, pechinchando, e ainda comi um delicioso almoço.

Mas o que eu realmente queria ver, era as mulheres pintando lã com corantes naturais.

Uma tradição antiga é preservada em Chinchero

Ao lado da feira encontrei uma casa com flores na frente (indicação que naquele lugar as mulheres tingem lãs). Um jovem me recebeu e chamou as meninas para fazer a apresentação para mim. As duas adolescentes estavam graciosamente vestidas, e me convidaram para sentar.

Na minha frente havia algumas plantas, flores, cactos, lã, cestas com tubos de lã, e tigelas com folhas, milho e um tubérculo.

 Os pigmentos

Uma das moças começou a ralar o tubérculo chamado saqta em uma tigela, e em seguida derramou água e misturou tudo. Ela explicou que este tubérculo é usado para limpar a lã, e colocou um pouco de lã mega suja na tigela e lavou. A água transparente, de repente tornou-se marrom, e a lã branca. Ela estava apenas começando e eu já estava impressionado!

O segundo passo foi colocar a lã para secar e, em seguida, formar os fios e enrola-los num tubo. Elas fazem isso com tanta facilidade que fez uma piada dizendo que podem fazer muitas outras coisas enquanto executam essa tarefa, até mesmo beijar o namorado.

Nunca imaginei que seria tão “fácil” transformar a lã natural em fio têxtil.

Depois ela começou a me mostrar os diferentes pigmentos usados para obter as cores: ch’ilka  uma planta, para obter verde; um milho típico do Peru, roxa; folhas de awaypilly, roxo escuro; uma flor chamada qolly, amarelo; a planta kinsakucho, azul; qqaqasunka, um musgo, laranja; cochinilha (Dactylopius cocos), um inseto, para obter a cor vermelha. Como fixadores elas usam limão, sal, um mineral chamado Qollpa e urina.

Eu me perguntava como elas descobriram todas essas coisas e desenvolveram todas essas técnicas. É simplesmente inacreditável!

Quando ela pegou a cochinilha, um inseto preto minúsculo, do cacto e esmagou-a, uma cor roxa apareceu em sua mão. Eu fiquei sem palavras! A adolescente colocou um pouco de limão para dissolver a cor e explicou que a cochinilha é utilizada internacionalmente na indústria de cosméticos, e que as peruanas vem usando por centenas de anos. Ela colocou um pouco de cor vermelha em seus lábios usando o dedo. Provalvemente esse é o batom mais barato do mundo. Como elas são sortudas!

O tingimento

O próximo passo foi demostrar como tingir a lã: colocar em água fervente com o respectivo pigmento e fixador em uma quantidade de tempo que varia de acordo com a cor que deseja obter.

Em seguida, elas colocaram a lã tingida (que pode ser de ovelha ou alpaca) para secar, e depois estará pronta para ser utilizada no tear.

A família usa teares para fazer roupas, bolsas, tapeçarias e tecidos em geral. Tudo cuidadosamente feito à mão, e tão colorido que é impossível resistir e não comprar algo.

A Antakillka é uma empresa familiar, e o conhecimento tem sido passado de geração em geração. Eles falam espanhol e quechua (outra língua oficial do Peru), e fazem a demonstração todos os dias das 08h às18h. A demonstração é gratuita, mas gorjetas são muito bem-vindas.

As meninas são tão adoráveis e simpáticas, que eu desejei poder ter ficado lá o dia inteiro para aprender tudo.

Chinchero

Me senti tão grato e privilegiado por visitar Chinchero e ver que todas estas tradições antigas ainda estão preservadas. Espero que elas possam ficar imunes à globalização e a tecnologia, porque é tão fascinante e interessante exatamente do jeito que é.

Visitando Chinchero

  • Onde está localizada?

Veja a localização exata de Chinchero aqui no mapa.

  • Melhor época pra visitar

Você pode visitar Chinchero durante todo o ano, mas levando em consideração que você está visitando Cusco para ir para Machu Picchu, a melhor época para visitar esses lugares são durante: Maio / Junho e Setembro / Outubro.

  • Como chegar lá?

De carro ou de van, saindo de Cusco.

  • Onde eu fiquei?

Fiquei no Hostal Malquis em Cusco.

  • Custos da viagem

∗ Vôo de São Paulo para Cusco com Avianca: R$ 1458.
∗ Quatro noites no Hostal Malquis: R$ 134 com café da manhã incluso.
∗ Van de Cusco para Chinchero: 12 soles (US$ 14).

Para mais informações sobre Peru, visite: VisitPeru.com

  • Aluguel de Carros:Pesquise, compare e economize
  • Bookaway:Pegue um ônibus, barco, trem ou carro para as melhores localizações do mundo
  • Booking:Encontre as melhores ofertas de acomodações
  • GetYourGuide:Reserve experiências inesquecíveis em todo o mundo
  • SegurosPromo:Compare e encontre o melhor seguro viagem

6 comentários em “Chinchero: um vilarejo super especial no Peru”

  1. Olá Pericles,
    Muitos parabéns por este texto. É por “pequenas” coisas como esta que viajar é tão enriquecedor e maravilhoso. É sempre bom arriscar e sair da rota mais turística, nem que seja para descobrir tradições antgas como esta. Fiquei fã do seu trabalho. Grande abraço desde Portugal.

    Responder
    • Olá Filipe.
      Muito obrigado pelos comentários!!
      Para mim, e acredito que para você também, não há nada mais gratificante do que viajar, adquirir conhecimento, e ainda depois poder partilhar isso.
      Peru é muito fascinante, e Chinchero é umas das oportunidades de estar contato com um pouco da riqueza cultural desse país.
      Abração.

      Responder
  2. Olá Pericles,
    Adorei seu relato, e pretendo conhecer Chinchero exatamente neste modo, independente. Foi fácil? Lembra onde vc pegou a van em Cusco? e o retorno, teve transporte fácil e barato também? Não queria ir com o city tour, mas também ouvi falar que precisava do boleto turistico para conhecer a cidade.
    Vou mês que vem, e estou ansiosa 🙂

    Responder
    • Olá Michele.
      Muito obrigado!! Que bom 🙂
      Então, acredito que nesse post ou de Como planejar um viagem ao Peru, tem o local que peguei o ônibus.
      O transporte foi fácil sim e super barato. Na ida vc pega em uma rua em Cusco e na volta vc pega em frente à entrada do vilarejo.
      Vc precisa do boleto se for visitar as ruínas que fica no centro. Caso contrario só poderá visitar a feirinha e esses locais que eles fazem demonstração do processo de fabricação das roupas.
      Já planejou tudo?
      Abraço

      Responder
  3. Olá Péricles, lendo esse post seu, lembrei dos momentos que eu estive lá no Peru em 2015. Gostei das informações sobre Chinchero, tinha escutado deles, mas não os visitei. Quando estive lá no Peru, peguei o ônibus da Peru Hop, para andar pelo Peru. Com ele pude conhecer Huacachina, fazer sandboard, ir ao túnel secreto dos escravos, voar sobre as Linhas de Nazca, conhecer Puno e ir em Machu Picchu.
    Desejo voltar lá em 2019 para os jogos Pan-Americanos, visitar a Montanha de 7 Cores e Chinchero seguindo suas recomendações aqui.
    Sucesso nas próximas viagens!

    Responder
    • Olá Marlon.
      Muitíssimo obrigado pelo comentário e palavras.
      Eu adorei o peru es esperar voltar lá também. Assistir ao jogos do pan seria um ótima ideia 😉
      Um país cheio de história e com lugares fascinantes.
      Aproveite bastante e se planeje com antecedência para conseguir bons preços.
      Voce pode fazer as reservas pelo site sem custo adicional algum pra voce. So ir em Dicas e Curiosidades – Planejamento 😉
      Abraço Marlom e tudo de bom pra você.

      Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.