Curtindo a vida loucamente em Phi Phi

A ilha Phi Phi serviu como cenário pra uma das minhas viagens preferidas, e uma linda história de amizade e de muita diversão.

Primeira vez na Ásia

Em fevereiro 2014, fui para a Ásia pela primeira vez. Comecei minha viagem em Bangkok e depois de alguns dias na capital da Tailândia fui para o sul deste país incrível. O vôo de Bangkok para Krabi foi curto e muito barato, cerca de US$ 50 com AirAsia, uma das empresas de baixo custo na Ásia. Após cerca de 1h20min cheguei no aeroporto de Kabri e de lá eu peguei um ônibus para o centro da cidade, a fim de pegar o ferryboat de 1h30min para Koh Phi Phi.

O ferry estava cheio de turistas, principalmente australianos e europeus, e alguns deles estavam no convés curtindo o sol e a viagem. Meu amigo e eu estávamos nos dois últimos assentos da segunda fila separados de um casal espanhol pelo corredor, quando de repente uma lâmpada caiu entre nós quatro. Nós imediatamente começamos a rir e conversar com os espanhóis. Naquele momento, não sabíamos que a lâmpada foi a faísca para uma grande amizade…

Phi Phi Island

Depois de 1h30 minutos chegamos a Tonsai Pier, Koh Phi Phi Don. Do barco tive uma visão do que nos esperávamos: uma ilha pequena, desolada com vegetação exuberante, e águas cristalinas azul-turquesa rodeada por enormes rochas calcárias. Fiquei encantado! A pequena aldeia é pouco desenvolvida, mas agradável e interessante. A rua principal é super estreita e cheia de lojinhas, bares, restaurantes, casas de massagem, e agências de viagens. Os carros não são permitidos na ilha e o único “som de tráfego” que você ouve é “beep beep” dos motociclistas locais. Enquanto meus dois novos amigos, Mari e David foram à procura de acomodações, meu amigo Gustavo e eu estávamos à procura de um restaurante e encontramos um com uma vista para o mar deslumbrante e o melhor arroz frito com abacaxi e camarões que já comi.

Saímos do restaurante e fomos procurar nosso hotel nos arredores da vila. O quarto super pequeno nos decepcionou e apesar do recepcionista mal falar Inglês, eu consegui um upgrade. Deixamos o hotel e fomos para o mirante para assistir o pôr-do-sol. O mirante está no topo de um morro em uma propriedade privada e você tem que pagar uma pequena taxa; mas o mirante oferece uma excelente vista da ilha. Um banco de areia separa a ilha em duas praias em forma de U com água esmeralda, e há imponentes montanhas de pedra calcária ao fundo. O sol se pôs exatamente atrás dessas montanhas enormes e pintou o céu com uma cor âmbar. Minha estadia em Koh Phi Phi Don estava apenas começando e eu já estava deslumbrado com este cenário idílico. Me senti tão abençoado!

Sunset, Koh Phi Phi Don, Thailand.

Nos encontramos com nossos novos amigos, Mari e David, para jantar e negociar um barco para o dia seguinte. Alguns barqueiros estavam do porto e quando eu vi um cara com uma camisa  a seleção brasileira pensei: Tem que ser este. A negociação é baseada em onde você quer ir e quanto tempo a viagem para durar. Os tailândeses são super simpáticos, mas uma vez que eles ficam bravo, esqueça … O nosso negócio não foi fácil, mas finalmente concordamos com um dos rapazes para nos levar para três ilhas,  das 07h- 14h, por algo em torno de US$ 80. Fui pra cama feliz, animado e já sonhando com Maya Bay.

Quando saímos do hotel no início da manhã, o sol ainda estava nascendo e a ilha estava completamente em silêncio. No cais, dezenas de barcos flutuavam na água calma, e o nosso capitão acertava os ótimos detalhes do nosso barco típico tailandes. O sol já tinha nascido quando o casal espanhol chegou. Gustavo tinha um alto-falante e assim que o barco deixou o cais, ligamos o som.

 Maya Bay (A Praia)

Depois de 20min de passeio nos aproximamos de Koh Phi Phi Le, onde Maya Bay está localizada. As rochas calcárias que a rodeiam são enormes e estávamos super eufóricos. Não conseguíamos ouvir a música, porque o barulho do motor era muito alto … Após cerca de 40min começamos a navegar em Maya Bay e eu estava boquiaberto. Os altos penhascos de 100 metros de altura em três lados abrigam esplendidamente  “A Praia”, e quando chegamos lá, o sol ainda estava atrás das rochas, mas a água esmeralda intocada já estava brilhando e acolhendo seus visitantes, que naquele momento da manhã eram apenas um pouquíssimos. Não acreditava que um das praias mais icônicas do mundo estava lá apenas para nós!

Saltamos do barco desesperados e nos sentindo como crianças num parque pela primeira vez. Tiramos  milhares de fotos com diferentes poses e ângulos, passeamos e nadamos nas águas tranquila desta praia de renome mundial. Pouco a pouco mais visitantes chegaram e Maya Bay foi perdendo seu status de paraíso; já era hora de sair e acharmos outros… Quando estávamos prestes a sair o sol ja não estava mas atras das montanhas, e a água esmeralda cristalina reluzia e Maya Bay tornou-se ainda mais apaixonante. Ligamos o som e começamos a dançar no barco como se não houvesse amanhã. Apesar de que algumas pessoas nos encararem estranhamente, partimos transbordando felicidade…

Deixamos “A Praia” e fomo para uma ilha perto para fazer snorkeling. A água era incrivelmente transparente que até mesmo do barco podíamos ver os peixes. Mari parecia não acreditar no que estava vendo, especialmente quando nosso capitão jogou pedaços de pão e toneladas de peixes apareceram. Fazer snorkeling aqui foi surpreendente!

Nossa última parada foi ilha Mosquito outro paraíso perdido com uma beleza natural fascinante com falésias calcárias cercado por água cristalina. Por causa de seus recifes de coral essa ilha oferece uma dos melhores locais pra snorkel em Koh Phi Phi. Neste ponto, estávamos tão íntimos do casal espanhol que parecia que nos conhecíamos a tempos e não há apenas um dia …

Quando chegamos na vila estávamos tão cansados e queríamos apenas almoçar e descansar. As duas praias separadas por um banco de areia têm programação opostas: Tonsai Bay está cheia de turistas chegando e saindo da ilha do porto durante o dia e é extremamente silenciosa à noite; Loh Dalum Bay é agradavelmente calma durante o dia e barulhenta à noite. Então nós fomos para a baía tranquila pra relaxar na areia sob as sombras das árvores, descontrair um pouco e bater papo. Um pescador que nos viu lá nos convidou para ver o pôr do sol do seu barco, mas estávamos relutantes até que Gustavo fez a conversão e percebemos que custaria menos de US$ 20 e disse: Eu pago! Sorrimos como crianças e pulamos no barco. O pôr-do-sol do barco foi imbatível e nós não poderíamos estar mais felizes.

Estávamos jantando todos juntos e um amigo meu que viu minhas fotos no Facebook percebeu que um de seus amigos também estava na ilha; ele nos colocou em contato e o belga, Thierry, se juntou ao grupo. Após o dia inteiro sob o sol estávamos exaustos e só queríamos jantar e reservar a excursão pro dia seguinte.

Passeio de barco

No dia seguinte, o passeio de barco foi muito diferente, e éramos no total 8 pessoas. Na primeira parada para mergulho Thierry pisou em um ouriço-do-mar e nosso capitão magicamente tirou os espinhos com uma faca. Apesar do início trágico nós ainda tivemos tempo pra visitar algumas ilhas paradisíacas. Uma delas foi a Ilha Bambu, uma ilha de tirar o fôlego, e uma das mais belas, onde a areia branca contrasta com a água azul brilhante e o verde da vegetação. Nos divertimos muito fazendo snorkeling e perseguindo uma peixe-cobra sem saber que o mesmo poderia ter nos matado em menos de dois minutos… Esta ilha é surreal !!

De lá fomos para a Praia dos Macacos, uma bela ilha cheia de macacos e, infelizmente lixo deixado pelos turistas. Almoçamos lá e fomos avisados para ficar de olho para que nosso almoço não fosse roubado pelos macacos… Nossa próxima parada, Maya Bay, que estava completamente diferente, mas ainda assim hipnotizaste. Estava repleta de turistas e barcos, incluindo dezenas de lanchas estacionadas na areia, que infelizmente bloqueavam parcialmente a vista para o mar. Nessa hora outra  pessoa se juntou ao grupo, uma chilena super legal, Camilla, que estava conosco no barco, e nós tiramos mais fotos e nos divertimos ainda mais em Maya Bay. Tailândia deve ser a “terra da felicidade”, como os tailandêses dizem…

Uma das partes mais memoráveis do dia foi quando o barco deixou Maya Bay e entrou em uma lagoa azul cercada por falésias calcárias com água incrivelmente límpidas que podíamos até ver o chão. O capitão parou o barco, para cortar abacaxi para gente e saltamos na água gritando como loucos. Eu estava extremamente feliz e me divertindo como nunca… Nosso passeio de barco terminou com outro pôr-do-sol surpreendente no Estreito de Malaca.

A vida noturna de Phi Phi

À noite jantei com os meus novos amigos em meu restaurante favorito e de lá fomos para as famosas festas na praia. A praia calma durante o dia promove festas alucinantes todas as noites, independentemente do dia da semana, com fogos de artifício, luzes de néon, música eletrônica e bebidas baratas vendidas em baldes. Dançamos, bebemos, rimos muito e celebramos a vida e nossa amizade, assistindo os shows de pirofagia e vendo as pessoas perdendo o controle…

 Último dia em Phi Phi

Na minha última manhã em Koh Phi Phi acordei já me sentindo melancólico, fiz o check-out no hotel e depois do café da manhã deixei minha bagagem no restaurante (a essa altura já tinha feito amizade com os garçons). O pessoal decidiu comprar lembranças e eu fui a praia. No meu caminho pra Loh Dalum Bay viu o Tsunami Memorial Garden (a aldeia foi fortemente danificada pelo tsunami do Oceano Índico em dezembro de 2004). A praia estava extremamente diferente da noite anterior: super calma, com poucos barcos parados em suas águas calmas azul-turquesa, que com o céu azul compôs um paraíso bucólico. Pus meus fones de ouvido, uma boa música, e por cerca de uma hora dancei como um louco diante dessa vista de tirar o fôlego. Estava muuuuito feliz, mas também um pouco triste porque eu sabia que em poucas horas eu deixaria Phi Phi Island e meus amigos também…

Phi Phi Islands, Thailand.
Phi Phi Island, Tailândia.

Quando meus amigos chegaram na praia, ainda tivemos tempo de passar algumas horas na praia antes de almoçar e teve de pegar o ferry. No porto Mari e David pegaram o ferry pra Ao Nang, e Gustavo, Thierry e eu pegamos outro pra Railay Beach. Tinha certeza que ia chorar, e quando fui em direção aos meus amigos para dizer adeus eu comecei…  Entrei no meu ferry e do convés eu comecei a chamar Mari e acenar para ela … Maaaarrrriiiiiii, Mariiiiiiiii …. O ferry partiu e eu chorei como uma criança… Deixei Koh Phi Phi absolutamente convencido de que eu tinha acabado viver alguns dos dias mais felizes da minha vida e que iria cuidar dessa minha nova amizade para sempre!

Visitando Phi Phi Island

  • Onde está localizada?

[huge_it_maps id=’14’]

 

  • Como chegar lá?

A única maneira de chegar a Ilhas Phi Phi é de ferry. Há ferries saindo de Krabi, Ao Nang, Lanta, Railay, Koh Samui, Koh Tao e Phuket.

Você pode comprar os bilhetes nas portos ou on-line .

  • Melhor época para visitação

A melhor época para ir para Phi Phi é de novembro a março, quando o umidade é mais baixa, a temperatura média é de 28 C, e a brisa é super fresca.

  • Onde é que eu fiquei?

Eu fiquei no Phi Phi Chang Grand Resort .

  • Custos da viagem

* Ferry da cidade de Krabi para Phi Phi: US$ 20 (R$ 70).

* Três noites em quarto duplo Phi Phi Chang Resort: US$ 232 (R$ 812).

* Barco privado das 07h às 14h: US$ 80 (R$ 280).

* Passeio de barco: US$ 20 (R$ 70).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.